Os Ureteres

Ureteres

Principais alterações:

         Os ureteres iniciam na pelve renal e terminam na bexiga. A junção da pelve com o ureter conhecida como JUP (junção uretero-pielica) pode apresentar malformação provocando dificuldade de esvaziamento da urina e necessita muitas vezes de uma correção plástica, a pieloplastia. Por ser um órgão de trânsito da urina, é no ureter que temos as principais causas conhecidas de dor do aparelho urinário, como cólica renal. Um cálculo pode provocar muita dor ao ser expelido, 75% dos cálculos são eliminados espontaneamente e 25% aproximadamente necessitam de algum tipo de tratamento. Hoje é muito utilizado a ureteroscopia e as fontes de energia para fragmentação e posterior retirada desses cálculos. A fonte de energia considerada mais eficaz é o Laser.

 

          A doença do refluxo, defeito na entrada na bexiga que permite que a urina volte para o rim no momento da micção, é tratada de forma clínica e também, dependendo do grau, de forma cirúrgica. Atualmente esse tratamento é feito, na maioria das vezes, por via endoscópica.

         O câncer de urotélio pode ter localização dentro do sistema coletor dentro do rim, no ureter e até na bexiga. Quando o tumor se localiza no ureter muitas vezes se faz necessária a retirada de toda a unidade do lado afetado.

  • Estenose da junção uretero-pielica:

     

    • O que é?

                Pode ser definida como restrição ao fluxo urinário da pelve em direção ao ureter que, se não for tratada, pode provocar deterioração progressiva da função renal. Essa condição persiste como desafio clínico pela dificuldade de se determinar qual paciente apresenta obstrução e qual será beneficiado por terapia intervencionista, não havendo exame subsidiário que de na objetivamente esse parâmetro.

       

    • Quem acomete?

               
       Acomete todos os grupos pediátricos, com incidência de 1 caso/1.500 nascimentos, com predominância no sexo masculino, especialmente no período neonatal. É a causa mais comum de hidronefrose antenatal, correspondendo a até 48% dos casos de dilatação do trato urinário, Observamos aumento na incidência no período neonatal por causa do maior número de diagnósticos antenatais após introdução de ultrassonogra a (US) de rotina, com segundo pico mais tardiamente, na adolescência, com aparecimento de sintomas. 

       

    • Como tratar?

          
            O tratamento é realizado através de uma pieloplastia por via laparoscopica ou aberta.