A Bexiga

A bexiga

Principais alterações:

 

          As doenças benignas da bexiga são mais comuns nas mulheres: as infecções urinárias, as alterações anatômicas conhecidas como prolapso ou bexiga caída, e as incontinências urinárias.

          As infecções urinárias não complicadas, normalmente, respondem bem a tratamento clínico, bem como as alterações de função conhecidas como doenças neurológicas da bexiga. Em todo o mundo a incontinência urinária é um problema comum que afeta até 45% das mulheres adultas refletindo-se muitas vezes em deterioração da vida social. A forma mais comum é a  incontinência urinária de esforço, seguida  em frequência pela incontinência de urgência provocada por hiperatividade vesical. Devido a vergonha, ao tabu e ao desconhecimento da existência de possíveis tratamentos, só uma minoria das mulheres que padecem de incontinência buscam um profissional. Os prolapsos e as incontinências urinárias são tratadas, normalmente, por cirurgias chamadas de minimamente invasivas, com uso de telas sintéticas: a incontinência urinária por hipermobilidade uretral com slings e os prolapsos por abordagem minimamente invasiva por via abdominal ou vaginal. 

  • Câncer de Bexiga:
     

          O câncer da bexiga, também chamado de Carcinoma Urotelial, é a segunda neoplasia maligna urológica mais comum. Costuma acometer principalmente pacientes tabagistas, com mais de 65 anos de idade e costuma se manifestar através de hematúria macroscópica indolor (sangramento vivo na urina).
          O tratamento do câncer de bexiga é complexo e envolve desde ressecções endoscópicas (RTU), uso de BCG intra vesical e até a retirada radical da bexiga, sendo necessário construção de uma derivação urinária com segmento intestinal.

Hipoativa

Hiperativa

  • Bexiga Neurogênica:
     

          Chama-se bexiga neurogênica o mau funcionamento da bexiga devido a doenças do sistema nervoso central ou nervos periféricos envolvidos no controle da micção, que fazem com que o indivíduo não consiga controlar adequadamente o ato de urinar. Tanto pode ser afetada a musculatura da bexiga como os seus esfíncteres. A bexiga pode se tornar hipoativa, incapaz de contrair-se voluntariamente ou hiperativa, com perda involuntária de urina. No primeiro caso ela se apresentará como relaxada e flácida e no segundo como hipertônica e contraída.

  • Quais são as causas da bexiga neurogênica?

              As causas da bexiga neurogênica podem ser genéticas ou dever-se a doenças neurológicas reversíveis ou irreversíveis, compressão da cauda equina, acidente que lesiona a coluna ou doenças neurológicas degenerativas.

     

  • Quais são os principais sinais e sintomas da bexiga neurogênica?
     

          Os principais sinais e sintomas do paciente com bexiga neurogênica são esvaziamento incompleto da bexiga, perdas de pequenas ou grandes quantidades de urina e infecções urinárias frequentes. Uma bexiga hipoativa em geral tem pouca ou nenhuma atividade, não consegue se esvaziar e dilata-se muito. Como esta dilatação se dá lentamente ela, na maioria das vezes, não é dolorosa. Algumas vezes a bexiga permanece aumentada de tamanho e perde pequenas quantidades de urina por extravasamento. Nessas pessoas a estase da urina proporciona as condições que estimulam o crescimento de bactérias e, assim, de infecções. Também são favorecidas as condições para se formarem cálculos na bexiga. A bexiga hiperativa, ao contrário, incapaz de reter a urina, pode encher e esvaziar involuntariamente, sem controle.​